De-icing

De-icing

Procedimentos de Degelo em Aeronaves no Solo

Com a chegada do inverno no hemisfério norte, devemos tomar precauções e saber como agir em alguns países para evitar problemas no vôo devido a formação de gelo na aeronave no solo.Na aviação executiva, os pilotos são os responsáveis pelas decisões operacionais e devem conhecer sobre o assunto para que possam agir da maneira correta e segura.

Os pilotos devem rever o documento do link abaixo, emitido pela FAA, que fornece informações importantes:

https://www.faa.gov/documentLibrary/media/Notice/N_8900.478.pdf

Existe um processo que é feito usando-se fluidos específicos aplicados na fuselagem da aeronave para retirar o gelo já formado e evitar nova formação durante um período, até que a aeronave efetue o táxi e decolagem.Saiba como isso é feito, as particularidades e preços do serviço para que você faça um voo seguro.

Caso haja formação de gelo na aeronave no solo, isso poderá causar um acidente, pois sua performance poderá ser alterada, causando vários perigos:

– uma distância de decolagem maior do que a prevista;

– a incapacidade da aeronave em decolar;

– a incapacidade da aeronave em cumprir uma trajetória de subida;

– perda de controle da aeronave em voo;

– perda na eficiência dos motores.

Mesmo uma pequena quantidade de contaminantes (neve, gelo, lama de neve) na estrutura da aeronave pode mudar o formato de superfícies, modificando, assim, o fluxo de ar e consequentemente as características normais de voo.Além disso, se houver formação de gelo na entrada dos motores, eles poderão falhar durante a decolagem e até mesmo haver a ingestão de material congelado que se acumulou em uma superfície da aeronave, causando sérios problemas.A formação de gelo também pode ocorrer em tubos de pitot, medidores de ângulo de ataque e tomadas estáticas, causando erros de parâmetros importantes para o voo.

Se você puder antecipar as condições de formação e acúmulo de gelo na aeronave no solo, você pode proteger a aeronave ou se planejar para um processo de remoção do contaminante e aplicação para evitar a sua formação (de-ice e anti-ice).Tendo atitudes proativas e antecipando uma contaminação, você poupará tempo, esforço e dinheiro.

Se você passar por áreas de precipitação pesada e pousar em aeroporto com temperaturas que podem causar a formação de gelo, é imprescindível inspecionar os motores quanto a água acumulada antes que sejam colocadas capas de proteção.

A maneira mais comum para remover contaminantes congelados das superfícies da aeronave ou evita-los é a aplicação de fluídos específicos.

Os fluidos que podem ser usados nas aeronaves são uma mistura de:

– Glicol, que diminui o ponto de congelamento e previne a formação de gelo.As misturas são tipicamente propileno, etileno ou dietileno glicol.

– Água.

– Inibidor de corrosão, para proteger a estrutura d aeronave.

– Agentes umectantes, para permitir aderência nas superfícies e penetrabilidade.

– Corante para identificar visualmente o tipo de produto.

Existem quatro tipos de fluido: tipo I, II, III e IV.

 

 

 

 

 

 

O tipo I é o mais fino deles, por isso pode ser aplicado em qualquer aeronave.É facilmente removido com o vento e tem um tempo de permanência, efetividade, reduzido, HOT (hold-over time).Sua cor é o vermelho-alaranjado.HOT para neve de 6 a 11 minutos

Os tipos II e IV são mais viscosos, pois têm agentes espessantes, permitindo que permaneçam mais tempo na aeronave, aumentando o HOT.O tipo II tem cor de palha e seu HOT é de 20 a 45 minutos para neve.O tipo IV é verde e seu HOT para neve é de 35 a 75 minutos.

O tipo III está entre o tipo I e os tipos II/IV.São mais usados em aeronaves menores e tem um HOT mais longo também.Esse tipo tem cor verde (amarelado) e o HOT é de 10 a 20 minutos.

Os fluidos tipo II e IV podem ser aplicados quentes ou frios, diluídos ou puros.Na América do Norte os fluidos tipo IV são aplicados frios e apenas para evitar a formação de gelo.No Reino Unido os fluidos tipo II e IV são aplicados quentes tanto para degelo quanto para prevenir a formação de gelo.

O fluido tipo II é comum na Europa, mas não na América do Norte.Os tipos I e IV são comuns em todo o mundo.O tipo III foi introduzido na Europa e na América do Norte em 2004.

A mistura de mais glicol ou água determina o ponto de congelamento da mistura.Para determinar a concentração de glicol e consequentemente o ponto de congelamento da mistura, usa-se um teste de glicol ou um refratômetro.Muitos dos FBOs na América do Norte usam esses testes.

 

 

 

 

 

 

 

Precipitação congelante ou algum tipo de contaminante que favoreça o congelamento continuamente, acrescenta umidade ao fluido, reduzindo a efetividade dele, pois se torna mais fraco.Quando isso acontece, o fluido não apresenta a aparência brilhante e sim, opaca.Contudo, durante chuva congelante ou chuvisco congelante, a aparência muda sutilmente.

 

 

 

 

 

 

 

 

Usar fluidos em temperaturas abaixo de – 20 C requer alguns cuidados.

Em geral, quanto mais frio o fluido, mais viscoso ele se torna e será mais difícil dele escoar da estrutura da aeronave.Isso cria uma situação aerodinâmica inaceitável.

Se o ponto de congelamento do fluido está dentro do ponto de absorção de congelamento (10C acima da OAT para o tipo I, 7C acima da OAT para os tipos II, III e IV), o fluido não pode ser usado.

Esses fatores são levados em conta para a definição da temperatura operacional mais baixa para uso (LOUT).A LOUT é a temperatura do ar ou da estrutura da aeronave mais fria possível para se executar DE/ANTI-ICING.

Atualmente, poucos aeroportos grandes dos EUA têm um novo método usado para degelo de superfícies em aeronaves, os hangares com infravermelho (IR).Essa tecnologia usa o calor radiante da onda de infravermelho para aquecer as superfícies da aeronave e derreter o gelo formado sobre elas; isso reduz significativamente o uso de glicol.IR é usado apenas para degelo.

 

 

 

 

 

A aplicação repetida de fluido mais espesso pode deixar resíduos que se acumulam e aumentam.Durante uma chuva esses resíduos irão absorver umidade e avolumar-se, formando um tipo de gel que pode se acumular em frestas e aderir a mecanismos.É importante a limpeza adequada nesse caso.Cheque com o fabricante a maneira correta de efetuar essa limpeza.

Se a aeronave for guardada em um hangar aquecido, estará protegida de precipitação e congelamento.Se o hangar não tiver aquecimento, providencie a retirada de água de reservatórios (toilet, por exemplo) para evitar a chance de que ela congele e seja mais difícil sua retirada.

Alguns operadores aplicam fluido de degelo ou anti-congelante se não têm como guardar a aeronave em um hangar.Se isso for feito, a camada de fluido previne a aderência de contaminantes congelantes nas superfícies e facilita a remoção destes contaminantes antes do procedimento de aplicação de fluido na próxima decolagem.Essa prática pode economizar tempo e dinheiro.

Se houver chance de ocorrer chuva congelante ou chuvisco congelante, considere aplicar fluido tipo II ou IV.Porém, antes da decolagem, certifique-se de que todo resíduo de fluido tenha sido removido, especialmente dos orifícios existentes nas superfícies de comando.

Um hangar aquecido pode ser usado para derreter contaminantes congelados.Se a aeronave, quente, for retirada do hangar para uma área onde haja neve ou outro tipo de precipitação em temperaturas congelantes, a precipitação irá derreter, mas pode congelar antes mesmo da sua decolagem, especialmente com tanques cheios, asas quentes.

Se estiver em um hangar que não seja aquecido e a aeronave seja colocada no pátio em ambiente muito seco, com neve, muito frio (abaixo de -10C), talvez não seja necessária a aplicação de nenhum fluido.Um tipo de neve muito fria em ar seco pode não aderir em uma superfície limpa e seca.

Embora a aplicação de fluido para degelo ou anti-congelante seja feita por um FBO qualificado, lembre-se que apenas os fluidos tipo I, II, III e IV são aprovados para a aviação.Prepare-se para a aplicação de fluido, observando o que o manual da aeronave recomenda.Configure a aeronave (flaps, slats, motores, APU, etc)  de acordo com seu AFM (Aircraft Flight Manual) ou POH (Pilot Operating Handbook).

Muitos caminhões que aplicam fluido podem ter dois tipos de fluido; certifique-se de que o fluido certo está sendo aplicado.

A temperatura ideal do fluido ao ser aplicado é de 60-80C (140-180F).

 

 

 

 

 

 

 

O fluido deve ser aplicado simetricamente em ambos os lados da aeronave, do contrário, pode haver problemas aerodinâmicos resultantes da aplicação errônea.

Com a aplicação de fluido anti-congelante, a contagem de tempo é muito importante quando você combina a condição climática e o volume de tráfego local com o seu HOT.

Em aeroportos controlados, obtenha sua autorização de tráfego antes de começar o processo de aplicação de fluido para degelo ou anti-gelo.Se a condição climática está se deteriorando e o volume de tráfego aumentando, isso pode consumir uma boa parte do seu HOT.

Taxiar com neve, lama de neve ou gelo requer cuidados.Tração da aeronave, frenagem e controle direcional podem ser reduzidos e luzes de balizamento de pistas de taxi e placas podem estar cobertas por neve.

Se algum tipo de precipitação congelante começar após o início do seu taxi e você não tiver feito nenhum procedimento de aplicação de fluido anti-congelante, a melhor coisa a fazer será retornar e proceder com a aplicação de fluido.Cuidado quando ocorrer chuva congelante ou chuvisco congelante (ou chuva/chuvisco a temperatura próxima do ponto de congelamento), que podem parecer apenas molhadas observando de dentro da cabine, mas que podem estar congelando, causando a aderência de gelo na estrutura.Na dúvida, retorne e proceda com a aplicação de fluido.

Os fluidos são feitos para escorrer durante a decolagem, deixando áreas da asa e superfícies críticas limpas nesse momento.

O fabricante de cada aeronave, AFM ou POH informa qual fluido anti-congelante é aprovado para a sua aeronave.Só use fluidos aprovados.

A remoção de gelo, neve ou qualquer outro contaminante congelante da aeronave é vital.O piloto não deve ser pressionado pelo tempo dispensado nessa atividade nem pelos custos desta operação.Ceder a essa pressão e decolar com contaminantes nas asas pode lhe custar a vida.

 

 

 

 

 

 

Um planejamento antecipado e a dedicação em manter a aeronave livre de contaminantes sempre que possível, irá lhe ajudar a lidar com essas situações.

Só decole se tiver certeza que sua aeronave está livre de gelo.Monitore seu HOT continuamente.

Como piloto em comando, a segurança do voo é sua responsabilidade.

 

 

O aeroporto de Teterboro, nos EUA, é muito usado pelos jatos executivos que têm passageiros com destino a Nova York.Por isso, a administração emite algumas orientações a serem seguidas durante o inverno:

1- Obter a autorização de tráfego assim que possível;

2- Faça contato com o FBO que fará o degelo das superfícies da aeronave para que seja colocado na lista de aplicação de fluido.

3- Informe o responsável pelo serviço de degelo sobre qualquer restrição na sua autorização de tráfego, como por exemplo, uma hora esperada de decolagem.O profissional responsável vai se esforçar para cumprir com qualquer restrição ajustando a fila de aplicação de fluido para que a sua aeronave cumpra a restrição.

4- Antes da aplicação de fluido, os pilotos devem:

– obter a autorização de tráfego;

– certificar que toda a tripulação, passageiros e bagagens estão embarcados;

– certificar que a aeronave já foi abastecida;

– confirmar que a aeronave já está pronta para o taxi, apenas aguardando o ok para a      área de aplicação do fluido.

5- O profissional que aplica o fluido de degelo irá sinalizar para o piloto assim que tenha completado o serviço.

6- Quando a aplicação tiver terminado, o piloto deve fazer contato com o controle de solo de TEB e dizer que está pronto para o taxi.

Após o recebimento da autorização de tráfego, o piloto não deve fazer contato com o controle de solo até que o serviço de degelo tenha sido executado e a aeronave esteja pronta para o taxi.As condições do aeródromo poderão ser atualizadas através do ATIS ou do controle de tráfego.

Pilot’s Deicing Responsibilities, 2016-17.

Preços do serviço de DE-ICING em dois aeroportos bem populares nos EUA, Teterboro (TEB) e Aspen (ASE).Pesquisa feita em novembro/2018.

O custo de DE-ICING vai depender de que contaminante (neve, gelo, etc) está em atividade e em que intensidade.O preço do galão de fluido varia.Em TEB o tipo I tem o custo de $19.00/gl e o tipo IV de $26.00/gl.Já em ASE o tipo I custa $24.00/gl (mínimo de 13 galões) e o tipo IV custa $29.00/gl.Para se ter ideia, podemos falar que uma aeronave do porte de um Falcon 2000 não terá um custo menor do que $1,000.00 para o serviço.

Os preços de hangar aquecido são os seguintes:

Aeronave                          KTEB                                         KASE

G550                                  US$ 1,150.00/noite               N/D

Falcon 2000                      US$650.00/noite                 US$996.00/noite

Phenom 300                     US$300.00                            US$678.00/noite

 

Documentos para consulta:

https://www.faa.gov/documentLibrary/media/Advisory_Circular/AC_91-74B.pdf

Sites para consulta:

https://aircrafticing.grc.nasa.gov/2_1_0_0.html

 

Dancor seguros
Dancor seguros
CIRRUS JET
Aviação e Agronegócio

Autor
Carlos Guedes
Carlos Guedes
(31) 99102-6340 (31) 99102-6340 (31) 99102-6340